O PIANO – 1993

O filme de maior sucesso da cineasta neo-zelandesa Jane Campion é um drama de época cheio de romance e de obstáculos a serem superados. O Piano (The Piano, no original em inglês) foi sucesso de público e de crítica, tendo sido indicado a oito categorias no Oscar, inclusive à Melhor Filme e Melhor Direção, marcando a segunda vez na história da premiação em que uma mulher era indicada como diretora. O filme, que se passa na Nova Zelândia de meados do século XIX, conta a história de Ada (vivida por uma estonteante Holly Hunter), uma mulher escocesa que é psicologicamente muda e que se comunica com outras pessoas com a ajuda da filha, Flora (interpretada por uma surpreendente Anna Paquin, aos o 9 anos de idade), com quem ela conversa através da linguagem de sinais. Além disso, Ada se expressa através de seu piano, que é a sua posse mais preciosa e a qual ela leva consigo para o interior da Nova Zelândia, onde ela encontra Alisdair (vivido por Sam Neil), um homem para o qual ela foi vendida pelo próprio pai num casamento arranjado, e Baines (interpretado por Harvey Keitel), ex-marinheiro e um empregado de Alisdair que se adaptou à região e adotou costumes dos nativos Maori.

A história emocionante de O Piano, que rendeu à Jane Campion o Oscar de Melhor Roteiro Original, parece aquele típico drama histórico que envolve traumas, romance e muitas dificuldades. Mas ao mesmo tempo, a obra de Campion vai além de uma simples narrativa melancólica e não se assemelha em nada com os dramas tradicionais com os cais somos tão acostumados. No filme, temos uma protagonista feminina que é claramente silenciada pela sociedade das mais diversas formas. Ada não tem opções e sua vida sempre foi controlada pelos homens a sua volta, e assim, ela se fecha e encontra refúgio na música e no seu titular piano, refutando os homens que a cercam. Esse enredo, juntamente com a interpretação maravilhosa de Holly Hunter, conquistam qualquer um! E quem não fica muito atrás é a jovem Anna Paquin, inesquecível como a pequena e decidida Flora, que, mesmo criança, já é incumbida da responsabilidade de representar sua mãe perante o mundo dos adultos. Não é de se espantar que ambas as atrizes levaram Oscars para casa com suas interpretações (Anna Paquin como uma das vencedoras do Oscar mais jovens da história). Como também não poderia ser diferente, a música de O Piano é ótima, além do visual como um todo, que nos transporta para um outro universo, graças a uma fotografia túrbida como o filme e uma edição criativa, além de um incrível design de produção e ótimos figurinos.

Nota 10!

O Piano está disponível para streaming no Telecine e no Supo Mungam Plus (um serviço de streaming especializado em filmes clássicos).


Veja também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: