CHRISTINE – 2016

Alerta de gatilho: o filme aborda como tema principal o suicídio. Se você quiser conversar com alguém sobre isso e tiver precisando de algum tipo de ajuda, não deixe de ligar para o 188. É 24 horas. Saiba mais no site do CVV.

Antes de dirigir o monótono e pouco inspirado The Devil All the Time, o cineasta estadunidense Antonio Campos (filho do jornalista brasileiro Lucas Mendes Campos) dirigiu o excelente e surpreendente Christine, protagonizado pela cada vez mais incrível Rebecca Hall. A atriz, por sinal, está na boca de todo fã de cinema em 2021, por estar no papel principal do terror The Night House e pela sua estreia como diretora no drama Passing, um dos filmes mais aguardados do ano e que será lançado pela Netflix em novembro. Mas voltando a falar de Christine, que merece toda a nossa atenção, o filme é uma biografia que se passa em 1974, na qual Rebecca Hall interpreta a mulher que dá nome ao filme, a jornalista de TV, Christine Chubbuck. A obra contextualiza a tragédia que aconteceu no dia 15 de julho daquele ano, quando a jovem reporter tirou a própria vida em frente às câmeras.

Antonio Campos e o roteirista do filme, Craig Shilowich, fazem um excelente trabalho ao nos apresentar a ambiciosa e bastante talentosa repórter. Trabalhando numa pequena emissora de televisão local de televisão, o filme mostra como, ao poucos, Christine começa a se sentir em crise devidos às inúmeras frustrações em sua vida pessoal e profissional. Tanto a produção do filme quanto a magnífica Rebecca Hall conseguem entregar uma resultado impactante, mas também muito respeitoso, ao contar uma história tão trágica quanto essa. Sabemos que muitas obras que tentam abordar tragédias desse tipo correm o risco de parecer sensacionalistas e apelativos, mas esse realmente não é o caso de Christine. A narrativa nos faz mergulhar no universo da protagonista, que é alguém com quem nos identificamos, e mostra como a depressão, a solidão e a misoginia tiveram papéis definitivos na decisão da jornalista, que infelizmente não teve o amparo necessário e também desconhecia a origem dos sentimentos que tinha. No fim das contas, o filme presta uma homenagem à Christine e serve como um alerta a todos nós, como sociedade, nos mostrando que suicídios podem ser evitados com a devida assistência.

Nota 9.

No momento, Christine, que em português ganha o subtítulo “Uma História Verdadeira“, está disponível nas plataformas de aluguel do Google Play, iTunes e Claro Video.


Veja também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: