NEVER RARELY SOMETIMES ALWAYS – 2020

Apos o impressionante filme LGBTQ+ Beach Rats, de 2017, a ótima cineasta Eliza Hittman ataca novamente em 2020 com um filme que coloca o dedo numa ferida da nossa sociedade – a dificuldade do acesso ao aborto seguro. No impactante Never Rarely Sometimes Always (que na versão em português do Brasil pode ser encontrado com o título traduzido de Nunca, Raramente, Às Vezes, Sempre), uma adolescente engravida, a tímida Autumn (vivida pela novata Sidney Flanigan numa performance memorável) que decide interromper a gestação, o que é legal em diversos estados dos Estados Unidos (pelo menos até a publicação desse artigo), muito embora cada um tenha regras diferentes e empecilhos para que o procedimento do aborto seja realizado. Assim, Autumn e sua melhor amiga, Skylar (interpretada por uma igualmente impressionante Talia Ryder) se juntam numa viajem da zona rural da Pensilvânia até Nova York para procurar ajuda médica e finalizar essa gravidez indesejada. E esse é o foco desse drama, escrito e dirigido por Hittman, ele quer mostrar como uma garota pobre passa pelos mais diferentes obstáculos para conseguir ter a sua vontade atendida e escolher o que vai acontecer com seu próprio corpo.

Não preciso nem dizer que as mulheres são soberanas quando a decisão é continuar ou interromper uma gravidez. Ainda assim, grupos conservadores e religiosos infiltrados nos governos, tanto nos Estados Unidos quanto ao redor do mundo, não medem esforços para criar barreiras no auxílio à saúde das melhores. Never Rarely Sometimes Always aborda essa questão de forma realista e dura, e não transforma o filme numa história para agradar os espectadores. Pelo contrário, o filme busca causar desconforto e faz isso de forma intensa e eficaz através da forma com a qual ele explora o desconforto da própria protagonista que, por sua vez, transmite o desconforto que tantas mulheres vivem ao redor do mundo quando são negadas da decisão de escolher seu próprio futuro. As interpretações das jovens atrizes são simples e super autênticas e, com a ajuda de um ótimo trabalho de direção, conseguem nos deixar um forte impacto. Como é característica da diretora e roteirista, que pode ser vista também no perturbador Beach Rats, Eliza Hittman toma seu tempo pra contar a história de forma lenta e carregada de desalento e melancolia, o que deixa o filme ainda mais especial e faz como que você compartilhe da dor da protagonista. Como era de se esperar, o filme sofreu boicote de vários grupos machistas e misóginos online, que lhe deram notas negativas em diversos sites, principalmente no IMDB e no Metacritic. Mas um motivo para aclamar e prestigiar esse excelente e inesquecível trabalho.

Nota 10!

No momento da publicação deste artigo, Never Rarely Sometimes Always está disponível para streaming no Star+ do Brasil. Se você se interessou por essa obra e quer conhecer mais sobre ela, incluindo outras opiniões, abaixo você encontra o link para o Letterboxd e para o TvTime, que são redes sociais de pessoas que comentam todas as obras do mundo do cinema e da televisão. Além disso, já que os filmes e as séries estão sempre mudando de streaming, você pode visitar o JustWatch, uma ferramenta que mostra a disponibilidade de filmes e séries em todas as plataformas de diversos países, para conferir de forma atualizada onde assisti-los! 🎥


Veja também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site criado com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: