THE HUMANS – 2021

Um lindo drama repleto de momentos cômicos e, surpreendentemente, com alguns maravilhosos elementos de terror, The Humans (que até o momento mantém o mesmo título em português) é dirigido e escrito pelo talentoso Stephen Karam em sua estreia nos cinemas. A obra produzida e distribuída pela A24 é baseada numa elogiada peça de teatro de autoria do próprio Karam. Ela conta a história de uma família estadunidense que se reúne para o jantar do Dia de Ação de Graças na casa de uma das filhas, Brigid (interpretada pela sempre competente Beanie Feldstein), num modesto apartamento sem muita infraestrutura no bairro de Chinatown, em Nova York. Os pais de Brigid, que vieram do interior da Pensilvânia para o feriado (vividos pelos sempre excelentes Richard Jenkins e Jayne Houdyshell), não estão muito satisfeitos com os destinos de suas filhas que, além de saírem de casa e estarem com dificuldades financeiras, possuem valores bastante diferentes daqueles dos seus pais, principalmente no que diz respeito à religião. Enquanto Brigid, que decidiu morar com o namorado (vivido por um sempre ótimo Steven Yeun), é uma musicista frustrada, sua irmã, Aimee (interpretada por uma surpreendente Amy Schumer), vem de um fim de relacionamento devastador que coincidiu com sua demissão do emprego e com um sério problema de saúde. Nesse contexto, as tensões entre os membros da família estarão a flor da pele, mesmo que isso não mude o amor que sintam uns pelos outros.

Desde os primeiros minutos de The Humans já percebemos que o filme é capaz de nos fazer despertar vários tipos de sentimentos, muitos deles ambíguos, outros antagônicos. O ótimo texto, repleto de diálogos rápidos que se sobrepõem – como realmente acontece em toda reunião de família – consegue expor as emoções das personagens, bem como seus defeitos e seus méritos. Como o próprio título já entrega, esse é um filme sobre seres humanos e sobre como nos relacionamos uns com os outros, muitas vezes cometendo erros, algumas outras vezes acertando. E nesse exercício de observar uma família e seus problemas reais, não há como não nos imaginarmos no lugar desses complexos personagens. Muito disso também se deve à incrível atuação por parte de todo o elenco, sem exceções. Jayne Houdyshell é a minha favorita, e talvez por também interpretar o papel da mãe no teatro, ela é a mais confortável em cena, mas todos estão de parabéns – inclusive a magnífica June Squibb, que faz a avó já debilitada pela idade. Além disso, a direção de Karam é competente e faz de forma exímia a transição do teatro para o cinema, com uma edição rápida e com foco no ambiente que nos ajuda a simular a perspectiva das personagens. Outro elemento crucial e bem trabalhado em The Humans é o som, que é usado para criar momentos repentinos de terror, algo que, à primeira vista, não parece encaixar num drama familiar, mas que faz todo o sentido quando entendemos o estado mental daquelas pessoas. Enfim, esta é uma obra sem igual, daquelas que levamos no coração como um perfeito retrato do que significa ser humano!

Nota 10!

No momento da publicação deste artigo, The Humans ainda não está disponível nas plataformas oficiais de streaming ou de aluguel do Brasil. Se você se interessou pelo filme e quer conhecer mais sobre ele, incluindo outras opiniões, abaixo você encontra o link para o Letterboxd, uma rede social de pessoas que comentam todas as obras do mundo do cinema. Além disso, já que os filmes estão sempre mudando de streaming, você pode clicar em JustWatch, uma ferramenta que mostra a disponibilidade de filmes e séries em todas as plataformas de diversos países, para conferir de forma atualizada onde assisti-los!


Veja também:


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Site criado com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: