RABBIT HOLE – 2010

Filmes que abordam a morte e o inevitável sentimento de luto que a acompanha, por si só, já são complexos e podem nos deixar marcas fortes. Mas nenhum filme sobre essa temática foi tão impactante para mim quanto o magnífico Rabbit Hole (que em português recebe o título de Reencontrando a Felicidade), do diretor John Cameron Mitchell. Conhecido por suas comédias que falam sobre gênero e sexualidade, esse filme baseado na premiada peça de David Lindsay-Abaire (que também assina o roteiro dessa obra), é um drama sóbrio bastante diferente de tudo que o cineasta já produziu. A história gira em torno de um casal, Becca e Howie (interpretados respectivamente por Nicole Kidman e Aaron Eckhart, em performances fabulosas), que perde o filho de apenas quatro anos de idade num atropelamento. Mesmo meses depois desse trágico incidente, o casal sofre para voltar a ter uma vida normal, e cada um dos dois vai buscar formas diferentes de lidar com essa morte prematura. Enquanto Howie vai procura refúgio em outros lugares, Becca acaba se aproximando de Jason (vivido por um excelente Miles Teller), o jovem que dirigia o carro que atropelou seu filho. O filme conta ainda com a incrível Dianne Wiest no papel de Nat, mãe de Becca que também perdeu um filho no passado.

Não se engane, Rabbit Hole é um filme triste, como não poderia ser diferente. Afinal, estamos falando de um casal tentando se recuperar da morte do seu filho de quatro anos de idade. Inclusive, muitas vezes nos perguntamos se há como se recuperar de um evento como esse. Ainda assim, há algo diferente na forma com a qual o filme conta essa dramática e trágica história. Há um certo humor na história, e uma positividade que não se encontra na maioria das narrativas que falam sobre o luto. Mas claro, isso não quer dizer que o filme não vá te fazer chorar diversas vezes. Ele é um caso raro de adaptação do teatro para o cinema em que a transição é feita com sucesso, mantendo a essência da história e adicionando aspectos positivos, em grande parte talvez devido ao fato de que o autor do texto da peça, David Lindsay-Abaire, também seja o responsável pela adaptação do roteiro para o cinema. Agora, precisamos falar da força que auxilia Rabbit Hole a ter o maravilho resultado que entrega no fim das contas: a estonteante atuação de Nicole Kidman. Após quase uma década de papéis fracos em filmes que vão de medianos para baixo, o papel de Becca trouxa o retorno da atriz para os braços dos críticos e das premiações de cinema, que se renderam à seu performance forte e extremamente comovente.

Nota 10!

No momento, Rabbit Hole está disponível para streaming na HBO Max e na Claro Video.


Veja também:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: