BLADE RUNNER – 1982

Um dos filmes mais marcantes do cinema e que veio a influenciar toda uma nova geração de narrativas ao redor do mundo, Blade Runner (que no Brasil recebeu o subtítulo “O Caçador de Androides“) é umas das primeiras obras-primas do universo cyberpunk. O filme, por sua vez, é inspirado pelo livro Androides sonham com carneiros elétricos? (Do Androids Dream of Electric Sheep?) do escritor norte-americano Philip K. Dick. Dirigido por Ridley Scott, o filme se passa na Los Angeles de um futuro em que humanos convivem com robôs – os replicantes. Tais replicantes, a princípio, foram desenvolvidos para trabalhar em colônias no espaço, mas um grupo deles, liderado por Roy Batty (vivido pelo holandês Rutger Hauer), fugiu de volta para a Terra e agora precisa ser recapturado. É aí que o ex-policial Rick Deckard (interpretado por Harrison Ford) entra em ação, mesmo contra a sua vontade.

O universo de Blade Runner é fantástico e visualmente estonteante. A criação cyberpunk distópica que se baseia na existência simultânea de alta tecnologia e baixa qualidade de vida é muito bem representada no filme por uma atmosfera futurista cheia de neons e hologramas e super cosmopolita, mas ainda assim com diversos problemas econômicos, sociais, políticos e ambientais. O visual do filme se tornou padrão para a representação de outros universos cyberpunk no cinema e na TV. O foco de Blade Runner em questões filosóficas também é muito bem conduzido, mesmo que simplificado no roteiro, e contribui para discussões importantes sobre inteligência artificial e humanidade. O filme tem quase duas horas de duração em sua versão oficial e sua narrativa tem um desenvolvimento bastante lento, que pode ser percebido como cansativo, mas é pontuado por cenas de ação e perseguição e diálogos intrigantes.

Nota 9!

Uma dica importante é assistir Blade Runner pensando no contexto da época, o que deixa tudo ainda mais proveitoso e nos impede de cair na armadilha de esperar um filme com relações sociais atuais. Entretanto, é possível, por exemplo, perceber que, mesmo para 1982, alguns momentos são mais machistas do que deveriam ser, infelizmente. Blade Runner está disponível para streaming na Globoplay e no Now, além de aluguel no Google Play, iTunes, Microsoft Store e Looke (veja no JustWatch).


Veja também:

Um comentário em “BLADE RUNNER – 1982

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: